sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Não falo como você fala mas vejo bem o que você me diz...


Essa semana não rendeu. Não escrevi nada que tinha planejado escrever, minha cabeça está fervilhando de ideias e meus blogs estão abandonados... Fazer o que? É a vida, e infelizmente não posso (ainda) me dedicar plenamente ao trabalho literário, devido às multi-funções exercidas por esta que vos escreve, como faz toda mulher moderna. E pensando assim me lembrei da música "Leila", da Legião Urbana, que fala do dia-a-dia de uma mulher forte e determinada, mostrando seus anseios e seus pequenos medos ante os desafios. Para quem não conhece a música e quer ouvi-la clique aqui .

Como a Legião faz parte da minha vida desde muito, comecei a pensar em algumas músicas dos caras e na importância delas em certos momentos. Por exemplo, meu álbum preferido da banda é “As Quatro Estações” (1989), seguido de “V” (1991). Em algumas entrevistas Renato Russo afirma que ambos são álbuns muito depressivos e com letras complicadas, porém foi no primeiro que ele falou abertamente pela primeira vez sobre sua orientação sexual em “Meninos e Meninas”, um grande hit do disco que também tem como carro-chefe a balada “Pais e Filhos” que estourou nas rádios de todo o Brasil e até hoje é considerada como o hino de uma geração. Na minha opinião, a melhor de “As Quatro Estações” é “Eu Era Um Lobisomem Juvenil” com sua letra forte carregada de metáforas e ironias à realidade vivida pelo povo brasileiro, como por exemplo no verso: “... se o mundo é mesmo parecido com o que vejo, prefiro acreditar no mundo do meu jeito...”. Desde a primeira vez que ouvi essa música fiquei deslumbrada com a capacidade de Renato de expressar seus sentimentos de forma tão poética. Em “1965 (Duas Tribos)” podemos ouvir outro primor de criação, tanto em letra quanto em melodia. Já no álbum “V” estão algumas das músicas mais tristes e reflexivas da banda, o que fez com que o disco fosse considerado pelos fãs mais fervorosos como o melhor da Legião. Traz faixas intermináveis como “Metal Contra As Nuvens” com seus mais de 11 minutos de duração e uma letra profundamente melancólica e cheia de referências à vários assuntos, como por exemplo no verso “... sou metal, raio, relâmpago, trovão, sou metal, quem sabe o sopro do dragão...”, onde o sopro do dragão faz referência à Santa Inquisição. Só mesmo um gênio maluco como Renato para fazer esse tipo de analogia. O Wikipédia diz sobre a música: “diferentemente dos padrões de música seguidos pela Legião Urbana, Metal Contra as Nuvens tem uma variação melódica muito grande. O seu início calmo é seguido por um meio de muita guitarra e bateria, sucedido por um final mais doce, igual ao do início. É uma das poucas músicas da banda que possui um refrão.” Um verso interessante desta mesma música refere-se à era Collor: “... existem os tolos e existe um ladrão, e há quem se alimente do que é roubo, mas vou guardar o meu tesouro, caso você esteja mentindo...”, época em que os direitos autorais das canções ficaram presos e a Legião ficou muito tempo sem receber nada por seu trabalho. Este álbum também traz “A Montanha Mágica” (para mim uma pessoa só é capaz de escrever tal letra estando totalmente drogada, mas ela é perfeita) que faz clara referência às drogas no refrão: “minha papoula da Índia, minha flor da Tailândia, és o que tenho de suave, e me fazes tão mal...” mas também tem os versos encantadores:

"para que servem os anjos?
a felicidade mora aqui comigo
até segunda ordem
um outro agora vive minha vida
sei o que ele sonha, pensa e sente
não é coincidência a minha indiferença
sou uma cópia do que faço
o que temos é o que nos resta
e estamos querendo demais..."

Outras do disco: “O Teatro Dos Vampiros” (que posteriormente, durante a gravação do “Acústico MTV” Renato admitiu que essa era uma música que deveria falar sobre a TV) e a balada “Vento No Litoral”, capaz de levar qualquer um às lágrimas, por ser tão carregada de sofrimento e sentimento de perda. Mas a minha preferida deste álbum é sem dúvida “Sereníssima”, que merece ter a letra postada aqui:


Sou um animal sentimental
Me apego facilmente ao que desperta o meu desejo
Tente me obrigar a fazer o que não quero
E você vai logo ver o que acontece

Acho que entendo o que você quis me dizer
Mas existem outras coisas

Consegui meu equilíbrio cortejando a insanidade,
Tudo está perdido mas existem possibilidades,
Tínhamos a idéia mas você mudou os planos
Tínhamos um plano, você mudou de idéia
Já passou, já passou - quem sabe outro dia.

Antes eu sonhava, agora já não durmo
Quando foi que competimos pela primeira vez?
O que ninguém percebe é o que todo mundo sabe
Não entendo terrorismo, falávamos de amizade.

Não estou mais interessado no que sinto
Não acredito em nada além do que duvido
Você espera respostas que eu não tenho
Mas não vou brigar por causa disso

Até penso duas vezes se você quiser ficar.

Minha laranjeira verde, porque está tão prateada?
Foi da lua desta noite, do sereno da madrugada
Tenho um sorriso bobo, parecido com soluço
Enquanto o caos segue em frente
Com toda a calma do mundo.


Após os dois álbuns citados acima, eles ainda gravaram “O Descobrimento Do Brasil” (1993) e “A Tempestade” (1996), último disco a ser lançado antes da morte de Renato, em outubro do mesmo ano. O lançamento do álbum foi discreto, mas isso não faz com que suas músicas sejam menos interessantes. É que nessa época Renato estava muito doente, e eles preferiram fazer algo mais tranquilo. As músicas de “A Tempestade” trazem um tom melancólico e uma voz já um tanto quanto prejudicada pela doença do cantor. A música “Mil Pedaços”, assim como foi anteriormente “Vento No Litoral”, é uma balada triste e muito sentimental, acompanhando todo o conteúdo do álbum, carregado de canções introspectivas e que falam muito de perda. Destaques também para “Longe Do Meu Lado”, “1º De Julho” (que, apesar de ter sido escrita e gravada anteriormente por Cássia Eller, ficou muito melhor na voz de Renato) e “Soul Parsifal”, uma parceria inédita do Trovador Solitário com Marisa Monte, perfeita. Tem uma melodia que acalma e uma letra extremamente sútil,  confira:


Ninguém vai me dizer o que sentir
Meu coração está disperso
É sereno o nosso amor
E santo este lugar

Nos tempos de tristeza
Tive o tanto que era bom
Eu tive o teu veneno
E o sopro leve do luar

Porque foi calma a tempestade
E tua lembrança, a estrela a me guiar
Da alfazema fiz um bordado
Vem, meu amor. É hora de acordar

Tenho anis, tenho hortelã
Tenho um cesto de flores
Eu tenho um jardim e uma canção

Vivo feliz, tenho amor
Eu tenho desejo e um coração
Tenho coragem e sei quem eu sou
Eu tenho um segredo e uma oração

Vê que a minha força é quase santa
Como foi santo o meu penar
Pecado é provocar desejo e depois renunciar

Estive cansado
Meu orgulho me deixou cansado
Meu egoísmo me deixou cansado
Minha vaidade me deixou cansado

Não falo pelos outros
Só falo por mim
Ninguém vai me dizer o que sentir

Tenho jasmim, tenho hortelã
Eu tenho um anjo, eu tenho uma irmã
Com a saudade teci uma prece
E preparei erva-cidreira no café da manhã

Ninguém vai me dizer o que sentir
Eu, eu vou cantar uma canção pra mim


Infelizmente, Renato Russo não resistiu à doença e faleceu no dia 11 de outubro de 1996, deixando órfãos seus milhares de fãs, inclusive aqueles que ainda não haviam nascido e mesmo assim aprenderam a amar suas músicas. O que só prova que o cara era bom mesmo. Não, ele não era bom, ele era perfeito, acompanhado de Bonfá e Dado, não menos importantes. Após a sua morte ainda foi lançado o álbum “Uma outra estação” (1997), com músicas inéditas que foram escritas para “A Tempestade” mas acabaram ficando de fora, e mais e mais coletâneas de todos os tipos e para todos os gostos. Renato também teve dois discos solos: “The Stonewall Celebration Concert” (1994) em Inglês, para ajudar a campanha do sociólogo Betinho, e “Equilíbrio Distante” (1995), em um Italiano perfeito e de dar inveja a qualquer um. No primeiro ele fez versões de grandes sucessos da música mundial, inclusive de “Cherish” da rainha Madonna, que ficou ainda melhor que a original, tocada apenas no violão. Para quem quiser ouça aqui . No segundo podemos ouvir verdadeiras maravilhas musicais na voz rouca de Renato: “Strani amori”, ”Scrivimi”, “La solitudine” (sim, é aquela da Laura Pauisni), e a melhor do disco “Lettera”, quase uma declaração de amor. Confira aqui .

Para encerrar o assunto, preciso dizer que eu tive o privilégio de crescer ouvindo Legião e ainda, de ir a um show deles, um ano antes da morte de Renato, dia 21 de maio de 1995 no Ginásio de Esportes de Valinhos (SP), show que aliás, quase foi cancelado em cima da hora devido à falta de segurança do lugar. Mas o grupo se reuniu horas antes, na piscina do Hotel The Royal Palm Plaza e decidiu fazer o espetáculo. Nem preciso dizer que foi o máximo, com as músicas do álbum “O Descobrimento do Brasil”, além dos maiores sucessos do grupo, numa noite inspiradíssima. Infelizmente, não tenho nenhuma foto para registrar esse momento, mas ele está mais que registrado na minha memória.

Como não posso comentar sobre todas as músicas da Legião, devo fazer menção às maravilhosas “Faroeste Caboclo”, que já me fez ficar um dia inteiro com o toca-fitas ligado escrevendo a letra, numa época deveras distante... “Baader-Meinhof Blues”, “Acrilic on Canvas”, "Eduardo e Mônica", "Música Urbana 2" (que tem o 2 pois o Capital Inicial gravou antes a sua “Música Urbana”), "Andréia Doria" (uma obra poética, sem dúvida: “...às vezes parecia que era só improvisar e o mundo então seria um livro aberto...”), "Índios", "Os Barcos", "La Nuova Gioventú", e "Antes das Seis”, esta do último álbum do grupo.

Para encerrar, abaixo a capa do disco “O Descobrimento Do Brasil” que é quase uma obra de arte, retratando magistralmente o conteúdo precioso do álbum:




PS1: durante muito tempo causei a inveja da minha comadre Juliana por ter ido ao show da Legião, mas agora sempre que pode ela me devolve a gentileza dizendo que já foi ao show do U2 e eu não... mas ela não perde por esperar, rsss.

PS2: e como já disse nosso estimado Gilberto Gil: "... pense no Haiti, reze pelo Haiti... ". Se não puder fazer outra coisa para ajudar, faça pelo menos isso.




fontes consultadas:
Wikipedia
Vagalume
gfelsberg.blogspot.com
bandascompletas.files.wordpress.com

fotos:
4.bp.blogspot.com
bandascompletas.files.wordpress.com


6 comentários:

Carol Ducci disse...

adoroo Legião!

Cris Linardi disse...

Sou um animal sentimental
Me apego facilmente ao que desperta o meu desejo
Tente me obrigar a fazer o que não quero
E você vai logo ver o que acontece

Acho que entendo o que você quis me dizer
Mas existem outras coisas

Consegui meu equilíbrio cortejando a insanidade,
Tudo está perdido mas existem possibilidades,
Tínhamos a idéia mas você mudou os planos
Tínhamos um plano, você mudou de idéia
Já passou, já passou - quem sabe outro dia.

Antes eu sonhava, agora já não durmo
Quando foi que competimos pela primeira vez?
O que ninguém percebe é o que todo mundo sabe
Não entendo terrorismo, falávamos de amizade.

Não estou mais interessado no que sinto
Não acredito em nada além do que duvido
Você espera respostas que eu não tenho
Mas não vou brigar por causa disso

Até penso duas vezes se você quiser ficar.

Minha laranjeira verde, porque está tão prateada?
Foi da lua desta noite, do sereno da madrugada
Tenho um sorriso bobo, parecido com soluço
Enquanto o caos segue em frente
Com toda a calma do mundo.

NOSTALGIA NOSTALGIA NOSTALGIA NOSTALGIA NOSTALGIA

Joana! Que postagem! Coincidentemente estou ouvindo Legião há duas semanas initerruptas, pois estou com toda a discografia aqui. Sereníssima é meu hino! Cara, essa música parece que foi escrita por mim, porque essa descrição sou eu! Eu adotei a frase 'consegui meu equilíbrio cortejando a insanidade'!
Cresci com Legião e sou uma órfã declarada do Renato. Sou uma daquelas poetisas anônimas que sonham um dia escrever uma única letra parecida com alguma frase que ele tenha deixado.
Amei amei!!!!!
Quanto ao U2, fia, é nóis esse ano!!! Bjos!!!

Futebol Fair Play disse...

Realmente eu devo desculpas Joana, por não ler seu blog antes... não sabia dessa sua habilidade com as palavras... muito bom seu texto, e você sabe que eu não sou da época de ouro da legião, mas aprendi a gostar um pouquinho, com você e com o Ale. e tbm me considero um orfão.
Não é dificil gravar mais de 70 sucessos como a legião... o dificil é gravar 1 sucesso como a legião!!!

PS: Você ja me viu cantando "La forza della vita"??? é mais ou menos assim ó:...

July VanPelt disse...

Acho que essa vc sempre vai ganhar querida... afinal o U2 vem no final desse ano novamente (vamos comigo dessa vez?)

.. . mas já que é pra fazer inveja conto que vou no Coldplay em março tb...rsrs

Beijos

Juliana Carla disse...

Joana, o seu lado multi-funções rendeu uma excelente matéria! Parabéns! Gente e que saudade me bateu agora... Só ouvindo umas das minhas preferidas: Giz...

A obra nunca morre!

Obrigada por este momento!

Bjuxxx e xerooo

rabaterra disse...

eu estive neste show...
aliás o último dos 11 que vi da banda...
e tenho fotos...
gostaria de compartilhar...
como faço...
gde abs
Raba


Ginásio do G.E. Valinhos-SP (O Descobrimento do Brasil) 21/05/1994

Postar um comentário